Marketing Digital Eleitoral | Infográfico | Prefeitáveis no Twitter

O Marketing Digital Eleitoral já é uma realidade no Brasil. Em Goiânia, temos percebido uma movimentação intensa entre assessores, marketeiros, publicitários e políticos. Todos se perguntam: como criar campanhas políticas na internet que gerem votos e engajamento?

Nas eleições de 2010 o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) já deixou claras as regras para o marketing digital eleitoral. Foi um ano de muitos erros e acertos… mas, acima de tudo, de aprendizado.

 

Marketing Digital Eleitoral em 2010

Em 2010, fui coordenador  de Social Media de um dos candidatos a Governo de Goiás, coordenador geral de campanhas para os cargos de deputados estadual e federal, além de consultoria em outras diversas campanhas em Goiás e Tocantins. Não foi fácil, devo admitir.

Entre as lições que aprendi, gostaria de destacar uma das que julgo como MUITO importante numa campanha eleitoral na internet: análise e monitoramento. Sem isso, é impossível fazer uma “campanha 2.0” com qualidade.

Pensando nisso, resolvemos começar logo as análises das presenças online de alguns dos possíveis candidatos a Prefeitura de Goiânia nessas eleições.

Uso de Ferramentas no Marketing Digital Eleitoral

O uso de boas ferramentas é fundamental para que consigamos bons resultados no Marketing Digital Eleitoral! Mas… cuidado! Não caia na tentação de usar todas. Para a construção desse post utilizamos apenas duas ferramentas: Sequaz e Excel. Numa outra oportunidade, escreverei um post falando apenas sobre a Sequaz.

No entanto, ferramenta por ferramenta não adianta muita coisa. Todo político deve ter um membro na equipe que consiga fazer as análises corretas dos dados obtidos. Não se esqueçam: é preciso extrair inteligência dos dados.

Eleições 2012: Como estão alguns dos candidatos a Prefeitura de Goiânia no Twitter

O quadro ainda está indefinido. Não sabemos ninguém sabe ainda quais serão os candidatos e não temos dúvidas: muita água ainda vai rolar debaixo da ponte. No entanto, através de monitoramentos nas mídias sociais e conversas com articuladores, marketeiros assessores e políticos, entendemos que um cenário possível teria Paulo Garcia (PT), Demóstenes Torres (DEM) e Francisco Júnior (PSD) com candidatos.

Vamos ao infográfico:

 

Eleições 2012 no Twitter: análise do Paulo Garcia, Demóstenes Torres e Francisco Júnior

4 Comments

  1. A TuddoWeb está de parabéns. O infográfico ficou ótimo.

  2. […] a Internet como simples palanque eleitoral digital, sem interação com o público não é ter uma campanha de marketing digital eleitoral.Cabe aos representantes políticos compreenderem a essência das comunicações mediadas pelas […]

  3. […] promover o aumento da proximidade entre políticos e cidadãos, o estímulo à participação política ainda depende da ampliação de uma cultura de envolvimento político, sem a qual os meios de […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *